O marco do Km5 despareceu da tumba onde estava sepultado à margem do novo passeio da E.N.13-3, em Chafé, como noticiado neste vosso semanário no dia 29 do passado mês de outubro. Como foi possível alguém decidir transladar um valor patrimonial para algo desconhecido sem o parecer da comunidade chafense? É certo que o mundo […]
Para ler a restante notícia, deverá ser assinante do Aurora do Lima. Subscreva uma das assinaturas para ter acesso às anteriores edições do Aurora do Lima. Faça Log in ou assina já.