No passado dia 06 de julho, ocorreu a “arrinca do linho”, que tinha sido semeado em finais de abril numa propriedade cedida pela família  Meleiro, em Samonde. Um grupo de santamartenses procedeu ao seu arranque, pela raíz. A partir desta fase, começou uma caminhada de sofrimento para este ‘heróico’ cereal. Entre os ‘tormentos’ seguintes, como […]
Para ler a restante notícia, deverá ser assinante do Aurora do Lima. Subscreva uma das assinaturas para ter acesso às anteriores edições do Aurora do Lima. Faça Log in ou assina já.