Os fatores de risco são variados e, apesar da população portuguesa apostar cada vez mais num estilo de vida saudável, aliando uma boa alimentação ao exercício físico, a obesidade é um dos mais importantes fatores de risco da fasceíte plantar.

O excesso de peso provoca uma sobrecarga muscular e articular ajudando ao aparecimento da dor. Este é um fator de risco que pode ser resolvido a médio prazo e que trará bastantes benefícios a nível da saúde para as pessoas que sofram desta patologia. Talvez pareça, à primeira vista, um pouco contraditório, mas o exercício físico é também um dos fatores de risco a ter em conta.

A corrida de longa distância, bem como o ballet e outros estilos de dança, são desportos favoráveis para o desenvolvimento desta inflamação.

O uso de calçado adequado é bastante importante, não só no dia a dia, mas também no contexto profissional. O uso de um calçado inadequado (calçado com solas macias e que não ofereça apoio suficiente à curvatura do pé), pode ser bastante prejudicial para a saúde dos seus pés.

A idade, sendo um fator de risco não alterável, e onde é comum o aparecimento da fasceíte plantar em pessoas entre os 40 e os 60 anos, é importante que seja feita a devida prevenção tendo em atenção os fatores de risco falados anteriormente.

A falta de prevenção de modo a evitar esta patologia, pode dar origem a complicações como problemas nos seus pés, joelhos, quadril e até mesmo na coluna vertebral. De forma a resolver estas questões, encontra no Centro Clínico do Pé, os tratamentos ideais para esta patologia.
Tratamento:
* Laserterapia
* Ortopodológico
* Fisioterapêutico
* Cirúrgico

Fátima Carvalho

Podologista responsável pelo Centro Clínico do Pé

Foto: Clinicaorthop.com