Por este motivo os optometristas assumem, hoje, um papel-chave na prevenção, diagnóstico e acompanhamento da retinopatia diabética. Esta é uma conclusão retirada da posição oficial da associação Retina International, que visa reforçar a importância dos optometristas na gestão da saúde visual do paciente diabético. “Na Europa, os optometristas são o primeiro ponto de contacto para muitos pacientes com dificuldades de saúde visual, e nos EUA, os doutores de optometria estão na linha de frente dos cuidados oculares e da saúde da visão, fornecendo dois terços de todos estes cuidados preliminares à comunidade.”

A retinopatia diabética é uma manifestação ocular da diabetes que afeta a retina, parte do olho responsável pela captação das imagens e envio das mesmas para o cérebro. O seu aparecimento está relacionado com o tempo de duração da diabetes e com a falta de controlo dos níveis de glicemia no sangue.

Na maioria dos casos, esta doença afeta ambos os olhos e, se não for diagnosticada e tratada precocemente, pode levar à cegueira. Estima-se que 40 por cento dos diabéticos desenvolvem retinopatia, sendo esta a principal causa de cegueira em pessoas com menos de 60 anos.

O optometrista desempenha um papel importante na educação e incentivo à mudança no estilo de vida, evitando a retinopatia e, dessa forma, evitando o recurso subsequente ao especialista em retina.

O optometrista é um profissional central nos cuidados para a saúde da visão, segundo a Organização Mundial da Saúde. O seu âmbito de prática não se limita ao diagnóstico, prescrição, terapêutica e reabilitação da condição visual. Também desempenha um papel de relevo na investigação e inovação científica para a implementação de prática clínica, baseada em evidência científica e na educação e promoção da saúde.

Optometrista e Presidente da APLO