Os pólenes são grãos minúsculos reprodutores masculinos das plantas e constituem umas das principais causas de doenças alérgicas. Conforme o órgão que contactam, produzem em algumas pessoas inflamação alérgica nos olhos: conjuntivite (comichão e lacrimejo), no nariz: rinite (comichão, espirros e pingo), na faringe: faringite (comichão na garganta) e nos brônquios: asma (tosse e pieira).
O período do ano em que existe maior concentração de pólenes na atmosfera é entre os meses de abril a julho, quando a maioria das plantas poliniza, aumentando com o ar mais quente e seco.
Em Portugal, as principais plantas que mais produzem doenças alérgicas pertencem basicamente a três grupos: as ervas gramíneas, várias ervas silvestres, em particular a parietária, conhecida vulgarmente por alfavaca de cobra e os pólenes de árvores (cipreste, aveleira, plátanos, oliveira e outras de menor impacto).
Existem tratamentos médicos muito eficazes, de carater preventivo e de alívio dos sintomas, que devem ser conduzidos por especialistas nesta área da saúde.
Porém, o doente deve coo-perar neste tratamento com medidas simples que evitem ou minimizem o contacto com os pólenes e melhorem a sua qualidade de vida, permitindo apreciar melhor esta, tão agradável estação do ano:
l Permaneça no interior da habitação, se possível, durante as horas em que o vento sopra com mais intensidade.
l Vede bem as janelas da casa para evitar a entrada dos pólenes.
l Areje a casa após o pôr-do-sol e no princípio da manhã, aproveitando o período de maior humidade atmosférica.
l Evite ter em casa plantas polinizadoras.
l Sempre que andar no exterior, deve usar óculos escuros.
l Ao viajar de automóvel, deve fazê-lo com os vidros fechados para evitar a entrada do pólen.
l Faça a manutenção dos filtros de ar condicionado do seu automóvel.
l Viaje o menos possível em motociclos, mas se o fizer, deve usar um capacete integral com viseira.
l Não brinque nos relvados.
l Não corte relva, pois esta operação origina intensa libertação de pólenes de gramíneas.
l Passe a maior parte do tempo livre à beira mar, pois a humidade local dessa zona diminui a concentração de pólenes.
l Em situações mais graves, deve evitar a prática de exercício físico ao ar livre, devendo fazê-lo em ginásio.

(FUNDAÇÃO PORTUGUESA DO PULMÃO (DELEGAÇÃO DISTRITAL DE VIANA)

(Imagem: “beira.pt”)