A Sociedade Portuguesa de Gastrenterologia (SPG) aliou-se às celebrações da Organização Mundial de Gastroenterologia (WGO) que, sob o mote “Obesidade: a pandemia que continua”, inicia uma campanha que alerta para o facto de a obesidade ser um risco no aparecimento e agravamento de várias doenças graves do aparelho digestivo. A data marcou, também, o arranque do Mês da Saúde Digestiva, uma iniciativa de responsabilidade social corporativa da SPG que decorre até ao final de junho.

A escolha deste tema visa promover a consciencialização para aquela que é considerada a pandemia do século XXI, mais letal, inclusive, do que a Covid-19: a obesidade. “Se sofre de obesidade, estamos consigo nesta luta” é a mensagem que a SPG deixa aos portugueses (no filme apresentado) com o objetivo de lançar um alerta à população para este problema e destacar o seu grande impacto nas doenças do aparelho digestivo.

No que respeita à Saúde Digestiva, está provado o aumento dos cinco cancros do aparelho digestivo (cancro do esófago, estômago, pâncreas, fígado e cólon) nas pessoas com obesidade. Além de encurtar a esperança média de vida, a obesidade é um fator de risco para várias doenças do aparelho digestivo, como por exemplo o refluxo gastroesofágico, a obstipação, a doença do fígado (cirrose), entre muitas outras.

“Sabemos que cerca de 75% dos doentes obesos têm doença hepática não alcoólica, o que se reflete num aumento significativo de doença hepática avançada, de cancro de fígado e de necessidade de transplante. Mais de metade da população adulta da União Europeia é obesa, o que justifica o motivo por detrás da escolha do tema do Dia Mundial da Saúde Digestiva”, refere Guilherme Macedo, vice-presidente da SPG e presidente-eleito da WGO. Acrescenta ainda que “o gastrenterologista tem um papel fundamental, trabalhando em conjunto com equipas multidisciplinares, no combate a esta pandemia que se agrava anualmente e que atinge muito a Saúde Digestiva”.

A obesidade representa também despesas de mais de 81 mil milhões de euros para as economias europeias. Esta realidade reforça a urgência de uma resposta que congrega todos aqueles que convivem com esta pandemia como equipas de saúde multidisciplinares, indústria farmacêutica, nutricionistas, decisores políticos, pessoas afetadas e demais população.

Em conjunto, devem ser adotadas soluções para um problema mundial de saúde pública que pode ser prevenido e se tem agudizado na última década, representando uma das principais causas de doenças digestivas crónicas e também responsável pelo aumento do risco da mortalidade global.

A adoção de estilo de vida saudável, uma dieta equilibrada, a prática exercício físico regular e consultas regulares com um gastrenterologista são essenciais para evitar a obesidade e todos os riscos que esta acarreta e promover a Saúde Digestiva, que tanto influencia a sua saúde global!

Mês da Saúde Digestiva, uma iniciativa de todos para todos

Junho é o Mês da Saúde Digestiva, uma iniciativa de responsabilidade social corporativa da SPG, em parceria com empresas que se associaram a esta causa da saúde pública, pela sua relevância. Prolonga-se durante o mês de junho e tem por princípio informar sobre a Saúde Digestiva e a sua importância ao nível da prevenção, diagnóstico precoce e tratamento das doenças do Aparelho Digestivo, e proporcionar e promover o conhecimento mais aprofundado e contribuir para a melhoria do estado da Saúde Digestiva, e consequentemente da Saúde global dos Portugueses.

 SPG