A Associação Portuguesa de Podologia (APP), seguindo as orientações das Entidades de Saúde, recomenda aos seus associados a adoção de medidas de controlo do COVID-19, nas clínicas e consultórios de podologia.

“A evolução da epidemia COVID-19 em Portugal está a levar à adoção de medidas de prevenção e contenção da transmissão da doença, que toda a população, e de forma particular os profissionais de saúde, devem ter em consideração na implementação de procedimentos de prevenção e controlo da epidemia”, justifica Manuel Portela, presidente da APP.

Nas zonas de risco máximo ou maior risco, identificadas pela Direção-Geral da Saúde, a APP recomenda que se tomem medidas específicas:

  • No caso de consultas já marcadas, proceder a uma triagem prévia, através de chamada telefónica, para aferir junto do doente se apresenta sintomas compatíveis com o COVID-19 (febre, ainda que modesta; tosse; espirros; conjuntivite; diarreia; rinite), se esteve em viagem ou em contacto com pessoas provenientes de países de risco máximo;
  • No caso de identificar doentes com sintomas compatíveis com COVID-19, tentar adiar a consulta, se não for situação de urgência;
  • Usar luvas e duas máscaras cirúrgicas (trocadas sempre por doente);
  • Retirar da sala de espera revistas, folhetos e outros objetos que possam ser manuseados por várias pessoas.

Para os podologistas que não se encontram nas zonas de risco máximo ou maior risco, identificadas pela Direção-Geral da Saúde, a Associação Portuguesa de Podologia recomenda a adoção das medidas preventivas universais divulgadas pela Organização Mundial da Saúde como limpar e desinfetar imediatamente todas as superfícies e ambiente de trabalho, após cada consulta; fazer renovação do ar das salas com frequência; seguir escrupulosamente todos os procedimentos universais de esterilização e desinfeção; usar máscaras com válvula PFF2 ou, em caso de continuar a usar as máscaras habituais, trocá-la a cada duas horas para evitar a perda de eficácia; reforçar o uso de batas, luvas e proteção ocular; lavar cuidadosamente as mãos antes e depois de tratar os doentes; adotar medidas de etiqueta respiratória (tapar o nariz e a boca quando espirrar ou tossir – com lenço de papel ou com o cotovelo, nunca com as mãos; deitar sempre o lenço de papel no lixo); evitar os contactos interpessoais de proximidade.

A Associação Portuguesa de Podologia vai manter a atenção devida relativamente ao desenvolvimento do coronavírus em Portugal e recomenta analisar toda a informação disponível no link da Direção-Geral da Saúde www.dgs.pt/corona-virus.aspx.