O verão é uma época do ano caraterizada não só pelas altas temperaturas, como também pelo aumento da intensidade de radiação ultravioleta (UV) proveniente do sol, direta ou indiretamente. Os riscos e complicações associados à intensidade da radiação UV merecem também especial atenção ao nível da saúde da visão.

Em quantidades moderadas, a radiação UV torna-se bastante benéfica, principalmente por estimular a produção de vitamina D, essencial para a nossa pele, sistema cardiovascular, entre outros. Contudo, a exposição excessiva, pode causar lesões oculares em diversas estruturas dos nossos olhos, nomeadamente na córnea, no cristalino, nas pálpebras e/ou na retina.

Apesar da necessidade de reforçar a prevenção destes problemas durante a estação mais quente do ano, importa referir que os cuidados deverão estender-se a todo o ano. Isto porque dois dos principais efeitos negativos dos raios UV na saúde da nossa visão devem-se a uma exposição recorrente ao longo de vários anos. Entre esses problemas estão as cataratas e a degeneração macular.

Os óculos de sol são muitas vezes adquiridos como acessório de moda. Ainda que a opção por determinado modelo possa ser feita pelo aspeto estético, há um requisito fundamental que deve ser sempre assegurado: a proteção que conferem contra os raios UV e o efeito pretendido na filtragem da intensidade luminosa. Estes requisitos estão definidos em normas ISO específicas e reportam-se a especificidades, parâmetros e características físicas que requerem conhecimentos avançados em física e radiação. Recomenda-se vivamente que se faça aconselhar por profissionais qualificados e especializados na matéria. Tenha sempre presente que ao adquirir óculos de sol, deve certificar-se de que:

  • As lentes de proteção solar são equipamento de proteção individual (EPI), devem ostentar a marcar CE e indicar a categoria de transmissão luminosa, de 0 a 4;
  • Assegure-se que têm proteção UV de acordo com a norma ISO em vigor. Uma lente escura sem filtro UV provoca dilatação da pupila e uma maior penetração ocular da radiação solar;
  • A armação deve ser suficientemente grande para proteger os anexos oculares e evitar radiação lateral – quanto maior a armação, maior a proteção;
  • A coloração e filtragem luminosa escolhidas devem ser confortáveis e adequadas à atividade e uso pretendido;
  • A proliferação de venda de óculos de sol em qualquer tipo de contexto e sem controlo, exponencia a probabilidade de venda de óculos de sol sem qualidade e proteção;
  • A melhor forma de evitar esse risco de saúde pública é certificar-se que adquire os seus óculos de sol num estabelecimento de material ótico – só aí terá a garantia de que as lentes dos seus óculos cumprem todos os requisitos para uma proteção solar eficaz.

É muito importante que se certifique que os seus óculos de sol tenham as caraterísticas necessárias para proteger eficazmente os seus olhos, pois caso não as tenham, os raios UV podem causar mais e maiores danos do que aqueles que teria na ausência de óculos de sol.

Outras medidas para proteção da visão passam por: usar chapéu, de preferência com abas largas, de modo a impedir a emissão direta da radiação; utilizar protetor solar específico para a zona peri-ocular; se for o caso, ao usar lentes de contacto, escolher os modelos com filtro UV, sem dispensar a utilização de óculos de sol; evitar a exposição solar nos períodos de maior radiação solar, a saber entre as 11 e as 17 horas; e optar sempre por se manter na sombra, sem retirar os óculos de sol (na praia, por exemplo, a água e a areia refletem os raios UV).

APLO