No universo das ostomias intestinais e, pelas suas particularidades específicas, merecem algum destaque, o que se traduz numa maior vigilância e cuidado especial, refiro-me às ileostomias.

A ileostomia é uma ostomia de eliminação intestinal situada numa porção do intestino delgado, mais precisamente no íleon, localizando-se o estoma, normalmente, no quadrante inferior direito do abdómen.

Este tipo de ostomia intestinal exige de nós, profissionais e pessoa ostomizada, um maior cuidado pela sua localização e caraterísticas do conteúdo eliminado.

Como é do conhecimento geral, é no intestino que são absorvidos a água e os nutrientes ingeridos. Quando, por qualquer motivo, a pessoa é intervencionada cirurgicamente, da qual resulta uma ileostomia, todos os alimentos e líquidos ingeridos são expelidos precocemente pela abertura presente no íleon (ileostomia) comprometendo a principal função de absorção do intestino. Esta disfunção pode causar desequilíbrios hidro-electrolíticos, podendo provocar graves carências no organismo.

Além disso, o conteúdo presente neste segmento do intestino contém uma grande concentração de enzimas biliares, proporcionando ao efluente um pH alcalino que, associado à consistência, tipicamente líquida ou semilíquida, e ao excessivo volume eliminado diariamente (por vezes superior a 2000 ml), poderá causar grandes transtornos à vida da pessoa portadora deste tipo de ostomia intestinal, comprometendo consideravelmente a sua qualidade de vida.

Considerando todas estas particularidades, é muito importante que as pessoas portadoras de ileostomia pratiquem uma alimentação cuidada e equilibrada, quer ao nível da ingestão de líquidos quer dos alimentos. Contrariamente ao que as pessoas possam pensar, o facto de estarem a eliminar muito conteúdo pela ileostomia, não significa que devam suspender a ingestão de alimentos e líquidos, isso contribuirá para maiores desiquilibrios, agravando o quadro de desidratação e desnutrição.

É indiscutível que, na presença de uma ileostomia são importantes alguns cuidados alimentares para aumentar o tempo de absorção e não haver tantas perdas, ou seja, para reduzir as quantidades eliminadas pela ileostomia.

Felizmente, grande parte das ileostomias são construídas com caráter temporário, para resolver a fase aguda de determinadas doenças (ex.: doenças inflamatórias intestinais), para proteção de anastomoses intestinais baixas, para derivação do fluxo fecal enquanto decorre a cicatrização, ou consequentemente a situações de urgência, sendo o trânsito intestinal restabelecido num curto período de tempo, que poderá ir de 1-2 semanas a 3-6 meses. Contudo, há ileostomias que permanecem mais tempo, por vários motivos (ex: longos períodos de tratamentos com quimioterapia), atrasando a cirurgia de reconstrução.

Independentemente do tempo de permanência da ileostomia, os seus portadores deverão aprender a viver com ela com naturalidade e com todos os cuidados que a mesma exige.

Para tal, é fundamental, que as pessoas com ileostomia sejam devidamente acompanhadas por profissionais especializados que previnam todas as complicações que possam surgir e condicionar o seu bem-estar e a sua saúde, mas também, no tratamento precoce, pontual e eficaz quando na presença de alguma situação menos agradável.

Liliana Grilo Miranda, enfermeira