Este ano, o 1.º de Maio, Dia do Trabalhador, a assinalar amanhã, não vai ter manifestações, concentrações e desfiles. A CGTP/Intersindical, a central sindical que, habitualmente, mais pessoas concentra na rua nesta data, já anunciou que este é um “momento de grande complexidade para todos e em particular para os trabalhadores”.

“Não teremos a participação de centenas de milhar de trabalhadores e reformados que estarão solidários a partir das residências e locais de trabalho”, refere. Todavia, sublinha que quer trazer “à rua a denúncia dos abusos e atropelos a que os trabalhadores estão a ser sujeitos, afirmando com toda a força os direitos e as conquistas de Abril!”.

A iniciativa deverá, pois, envolver dirigentes e delegados sindicais de forma mais direta. Em Viana do Castelo, segundo foi divulgado, está prevista uma ação nesse sentido, no Jardim Marginal, pelas 15 horas.