As eleições para a presidência do Instituto Politécnico de Viana do Castelo decorrem na próxima terça-feira, dia 30 de abril.

Carlos Rodrigues e Nuno Brito são os candidatos à presidência do Instituto para o período 2019-2023.

“O programa resulta do contributo de diversos membros da Academia IPVC e da envolvência externa, visando a construção de um projeto coletivo, motivador e estratégico, preocupado com a sustentabilidade e longevidade da instituição, ciente do seu papel dinamizador e participativo na comunidade envolvente, próprio de uma instituição conectada globalmente”, explica Nuno Brito no seu Plano de Ação.

Por seu lado, Carlos Rodrigues explica que “o exercício do cargo de presidente de uma Instituição de Ensino Superior, como é o caso do Instituto Politécnico de Viana do Castelo, é exigente e é complexo, mas é, sempre, extremamente desafiante. É por considerar que reúno as características e os conhecimentos necessários para o exercício da função, por ter da Instituição IPVC um profundo conhecimento, uma noção clara do que dela é pretendido e a ideia do caminho que é necessário percorrer, que me candidato a presidente. Acresce a isso que será com um enorme orgulho e satisfação pessoal, e com a noção clara das responsabilidades, que exercerei essas funções”.

O processo eleitoral encontra-se regulado no Regulamento de Eleição do presidente do IPVC e será decido pelo Conselho Geral.

Na tarde de 30 de abril, o Conselho Geral, presidido pelo antigo presidente da Câmara de Arcos de Valdevez, Francisco Araújo, e onde têm assento diversas entidades da região, reunir-se-á para eleger o novo responsável do politécnico.

Carlos Rodrigues tem 55 anos, é doutorado em Ciência e Engenharia de Materiais, pela Universidade de Aveiro, tendo ingressado no politécnico de Viana do Castelo em 1989.

Nuno Vieira e Brito, de 58 anos, lidera a segunda lista, com o lema “IPVC/Estratégia 2023 – Uma Estratégia de Futuro”.

Doutorado em Medicina Veterinária, pela Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD), entrou para o IPVC em 1988. Entre 2007 e 2011 foi vice-presidente da instituição de ensino superior, cargo que deixou quando foi nomeado diretor geral da alimentação e veterinária, cargo que exerceu até 2013. Nessa data e, durante o Governo de Pedro Passos Coelho, foi secretário de Estado da Alimentação e Investigação Agroalimentar, desempenhando aquelas funções até 2015.