A Linha Capitalizar Mais, Business Angels e Fundos de Capital de riscos foram alguns dos instrumentos financeiros apresentados na manhã de dia 29 de novembro aos empresários de Viana do Castelo.  A organização coube à Confederação do Vale do Lima (Ceval) e juntou participantes de diferentes concelhos do distrito.

“O objetivo foi difundir um conjunto de instrumentos financeiros para facilitar o financiamento das empresas. Dirigida ao tecido empresarial local. Esta missão veio alertar os empresários para o facto de que há ferramentas em alternativa à banca tradicional”, refere o presidente do Ceval. Luís Ceia reconhecia que “o recurso ao crédito é pesado e é caro e a banca têm muita dificuldade em emprestar sem garantias pessoais, ou seja, para emprestar pedem uma garantia. Obviamente que quem está a começar uma empresa não tem garantia”. Esta era uma das principais questões levantadas pelos empresários á Associação, segundo o responsável.

Os instrumentos financeiros apresentados por representantes da Instituição Financeira para o Desenvolvimento (IFD) visam “aliviar esse conjunto de exigências que a banca pede”. Luís Ceia comparou a Ceval ao IFD. “O IFD é um banco de segundo piso e nós também somos uma associação comercial de segundo piso. Nós estamos para potenciar e estimular as iniciativas empresariais”.

Nos próximos tempos, a Ceval vai promover ações de divulgação pelo distrito sobre o novo regime dos trabalhadores independentes. Luís Ceia falou ainda de um novo projeto que “não podemos revelar para já, mas que estamos a preparar”.

Os resultados do Barómetro Empresarial, que deviam ter sido apresentados em outubro serão divulgados “em breve”. “Ainda não temos dados do Barómetro, mas estamos a aguardar os resultados para depois tomarmos as nossas diretrizes no sentido de ver aquilo que vai ao encontro das necessidades das empresas e do território”, concluía Luís Ceia.