O Partido Socialista foi a escolha dos vianenses no último sufrágio. Luís Nobre é o novo presidente da Câmara, com 45,05% dos votos, conseguindo cinco mandatos para o executivo municipal, menos um que em 2017.

Estou muito satisfeito. Havia grandes riscos devido à mudança de ciclo. A oposição colou-se a essa condição. Fez uma campanha muito concertada, aguerrida no sentido de apontar só as coisas negativas e não o trabalho feito nos últimos 28 anos”, dizia, no final dos resultados, à agência Lusa Luís Nobre.

O PS mantém-se à frente da Câmara de Viana do Castelo, depois de ter vencido as eleições autárquicas de domingo, mas mudou de presidente devido à lei de limitação de mandatos, segundo dados provisórios do Ministério da Administração Interna.

De acordo com o Ministério da Administração Interna, depois de apurados os resultados das suas 27 freguesias, o PS foi o vencedor em Viana do Castelo, com 45,05% dos votos, seguido do PSD/CDS-PP, com 24,59%, e da CDU (PCP-PEV), com 10,04%.

O BE obteve 4,54% dos votos, o Aliança 3,84%, o Chega 3,45%, a Iniciativa Liberal 1,80% e Nós, Cidadãos! 1,01%.

Contactado pela Lusa, o cabeça de lista do PSD/CDS-PP, Eduardo Teixeira, disse que, apesar de não ter vencido as autárquicas, a “coligação ganha um mandato na Câmara Municipal”.

No atual mandato, o PS tem seis mandatos, o PSD atingiu dois mandatos e a CDU um eleito.

“Na relação direta na Assembleia Municipal o PS perdeu a maioria. Tinha 15 deputados e passa a ter 13. Perde força para o nosso espetro político, nomeadamente a Aliança e o Chega”, referiu Teixeira, acrescentando que a coligação PSD/CDS-PP cresceu 20% no número de mandatos nas freguesias.