A ministra do Mar, Ana Paula Vitorino, tem já agendada, para amanhã, sexta-feira, uma nova reunião com o presidente da Câmara Municipal de Viana do Castelo, José Maria Costa, e com representantes da comunidade piscatória vianense.

 

Em causa está o impacto na atividade piscatória com a instalação do parque eólico flutuante Windfloat Atlantic, visando a produção elétrica. Nesse sentido, do Ministério do Mar recebemos uma nota que se frisa que o projeto é pioneiro a nível mundial e tem como objetivo “a exploração do recurso eólico em águas profundas.”

Reconhecendo a importância do setor das pescas no país e na região de Viana do Castelo e dos seus profissionais, o Ministério do Mar nota que “a preocupação pela atividade piscatória e pelos seus profissionais foi sempre tida como prioritária em todos os processos e particularmente no do Windfloat Atlantic, razão pela qual foram inclusive feitas alterações no desenho inicial do projeto, de forma a impactar o menos possível nas atividades de pesca já instaladas na zona.”

Considera que sempre fez um “esforço significativo de conciliação entre as atividades de pesca já existentes e o novo projeto”, tendo existido várias iniciativas de esclarecimento em Viana do Castelo, nomeadamente junto da autarquia e da comunidade piscatória. Esse esforço “continua e continuará enquanto alguma das partes entender necessário”. Nessa perspetiva se efetua a reunião de amanhã e que acima referimos.