Faltam  15 dias para o arranque do  festival  North Music Festival (NMF). Ornatos Violeta, OneRepublic, The Script, The Waterboys ou GNR são apenas alguns dos nomes de bandas e artistas que vão marcar presença na quarta edição do evento, que decorre, entre os dias 30 de setembro e 02 de outubro, no “coração” da cidade Invicta, na Alfândega do Porto. Além das quase duas dezenas de bandas e artistas que vão subir ao palco com vista privilegiada para o Rio Douro, a quarta edição do festival conta, ainda, com um palco sunset, passeios de barco, um workshop de fotografia e duas zonas de restauração.

Refira-se que, para esta edição inédita do NMF, que conta com três dias de festival, a organização, a cargo da promotora Vibes & Beats, conseguiu garantir a confirmação dos cabeças-de-cartaz internacionais The Script e The Waterboys, já anunciados no ano passado. Acrescente-se que o bilhete diário tem o valor de 50 euros e o passe geral, em pré-venda limitada, 90 euros, estando ambos disponíveis nos locais habituais e no site do evento.

Uma ode à música nacional

Os Ornatos Violeta irão receber os festivaleiros no primeiro dia do NMF, a 30 de setembro. A banda responsável por músicas que ainda hoje “habitam” o imaginário de todos os portugueses – como “Ouvi Dizer” (1999), “Chaga” (1999) ou “Devagar” (2011) – escolheu o palco da Alfândega do Porto para soprar as velas do seu 30º aniversário. Será nesta festa “cheia de amigos, com as emoções à flor da pele” que os Ornatos Violeta celebrarão 30 décadas de história daquela que é a banda que nunca deixou de estar presente e que se entranhou nas gerações mais novas.

André Henriques, Cláudia Guerreiro, Hélio Morais e Pedro Geraldes, também conhecidos como Linda Martini, estão confirmados no lineup do dia 30 de setembro. A banda rock tem vindo a lançar novos temas que vão integrar o seu novo álbum – como “E não sobrou ninguém”, “Horário de Verão” e “Taxonomia” – e que vão ecoar pelas ruas da cidade do Porto. O cartaz para este dia fica, ainda, marcado pela presença dos ZEN. A banda que se formou na Invicta na segunda metade da década de 90 e que voltou aos palcos em 2019, depois de uma curta pausa, conta na sua discografia com dois álbuns de estúdio e um disco ao vivo gravado no Hard Club, no Porto. Depois de participarem em vários festivais de renome ao lado de bandas como Rage Against the Machine, Queens of the Stone Age ou Stone Temple Pilots, o grupo conta, agora, com mais uma paragem no seu reportório: o North Music Festival.

Também o quarteto PAUS faz parte do cartaz do NMF. Joaquim Albergaria, Hélio Morais, Makoto Yagyu e Fábio Jevelim vão apresentar, no palco com vista privilegiada sobre o Rio Douro, alguns dos seus maiores êxitos, como “Deixa-me Ser”, “Pela Boca” ou “L123”. Diretamente da cidade berço, Guimarães, para o palco do NMF, chegam os Paraguaii, banda que, este ano, se prepara para lançar o seu quinto disco: “Propeller”. Já o concerto de fecho ficará a cargo de um dos nomes mais importantes da revolução eletrónica: Pedro Da Linha.

Dia Mundial da Música celebra-se com pop, rap e hip-hop

No dia 01 de outubro, os festivaleiros vão contar as estrelas que iluminam o North Music Festival ao som dos maiores êxitos dos OneRepublic. A banda formada por Ryan Tedder, Zach Filkins, Eddie Fisher, Brent Kutzle e Drew Brown vai “encher” o palco do festival com algumas das músicas que têm vindo a marcar as tabelas de música nacionais e internacionais nos últimos anos, como “Apologize” (2007), “Secrets” (2009) ou “Good Life” (2009). Recentemente, o grupo de Colorado Springs lançou o seu quinto álbum, “Human”, que conta já com êxitos como “Rescue Me”, “Didn’t I” ou “Run”.

Também presente para a celebração do Dia Mundial da Música, que se assinala a 1 de outubro, está um dos mais carismáticos artistas nacionais: David Fonseca. O músico que deu voz ao grupo Silence 4, iniciou em 2003 a sua carreira a solo com o lançamento do seu primeiro álbum “Sing Me Something New”. Estas quase duas décadas de história ficam, assim, marcadas por temas como “Someone That Cannot Love” (2003), “A Cry 4 Love” (2009) ou “Oh My Heart” (2018). Este dia vai, ainda, acolher a “rapper militante” e a grande “Mulher do Norte”, Capicua. A artista, que celebra este ano o primeiro aniversário do seu disco “Madrepérola”, vai comemorar no palco da Alfândega do Porto este último disco de originais que conta com temas como “Gaudí”, “Planetário” ou “Passiflora”.

“Uma das maiores promessas da música portuguesa” junta-se ao cartaz no segundo dia do festival. Responsável por êxitos como “Fica” ou, mais recentemente, “Romance de Cinema”, Domingues atua no palco da Alfândega igualmente a 1 de outubro. Também o artista emergente T-Rex vai apresentar-se no NMF. Depois do lançamento no ano passado do seu mais recente álbum, “Gota D’Espaço” – do qual faz parte o single de ouro “Tinoni” –, o músico acaba de lançar o seu novo tema “Volta”, que já conta com mais de 700 mil visualizações no Youtube. A fechar o cartaz do Dia Mundial da Música está o grupo Throes + The Shine, caracterizado por “híbrido de kuduro, texturas eletrónicas e a fúria do rock”.

The Script, The Wateboys e GNR encerram a quarta edição do NMF

“The Last Time”, “Run Through Walls” ou “Something Unreal” são alguns dos temas que marcam o novo disco dos The Script: “Sunsets & Full Moons”. A banda irlandesa, composta por Danny O’Donoghue, Mark Sheehan e Glen Power, é o cabeça-de-cartaz do último dia do NMF e o responsável pelo encerramento desta quarta edição. Autor de êxitos como “Superheroes” (2014), “Hall of Fame” (2012), “For the First Time” (2010) ou “The Man Who Can’t Be Moved” (2008) o grupo formado em 2007 soma mais de seis mil milhões de streams, mais de 30 milhões singles e 10,8 milhões álbuns vendidos, contando com cerca de 12 milhões de ouvintes mensais no Spotify.

Diretamente de Edimburgo, na Escócia, para o palco da Alfândega do Porto chegam, também, os The Waterboys, que vão animar o último dia de festival com a sua mistura de música celta, gospel e country. A banda formada em 1983 – atualmente composta por Mike Scott (o único membro original), Steve Wickham, Paul Brown, Ralph Salmins e Aongus Ralston – irá apresentar alguns dos seus clássicos como “A Girl Called Johnny” (1983), “The Whole of the Moon” (1985), “Fisherman’s Blues” (1988) ou “How Long Will I Love You” (1990). Esta atuação será precedida por uma celebração especial: os 40 anos de carreira do Grupo Novo Rock ou GNR. A banda que nasceu na cidade do Porto, e que assinalou o ponto de viragem na história do rock português, vai fazer vibrar as artérias principais do coração da Invicta com alguns dos seus maiores êxitos que têm vindo a marcar gerações como “Dunas” (1985), “Pronúncia do Norte” (1992) ou “Popless” (2000).

O quarteto de rock alternativo português, Keep Razors Sharp, integra o lineup deste último dia de festival. A “superbanda”, constituída por Afonso (Sean Riley & The Slowriders), Rai (The Poppers), Bráulio (ex-Capitão Fantasma) e Bibi (Pernas de Alicate), vai apresentar temas bem conhecidos do público como “The Lioness” (2014), “I See Your Face” (2014) ou “Always and Forever” (2018). Ao grupo português juntam-se “os cinco amigos do jazz” que compõem os Cassete Pirata. O grupo, que nasceu em 2016 “da vontade de escrever e descobrir novas canções em português”, lançou, este ano, o seu primeiro single “Pirâmide”, tema que irá fazer-se ouvir a 2 de outubro no NMF. Depois de fundarem a editora de música eletrónica Discotexas e de, em 2019, apresentarem uma “mistura única entre jazz e house”, com o tema “Azul”, Moullinex e Xinobi reúnem-se, uma vez mais, desta feita, para um concerto único na Alfândega do Porto.

Workshop, palco sunset, passeios de barcos e muito mais

Além dos nomes maiores que integram o cartaz para o palco principal, o North Music Festival integra, ainda, uma programação diversificada que decorre nos diferentes espaços da Alfândega do Porto. A quarta edição do festival vai contar, pela primeira vez, com um workshop de fotografia de concertos, no qual é dada a oportunidade aos formandos de fotografarem em ambiente de espetáculo e tendo a orientação do fotógrafo profissional Rui Bandeira. Vão ser 30 horas, repartidas por três sessões, repletas de flashes únicos, acesso exclusivo e momentos inesquecíveis. A iniciativa tem o custo de 100 euros.

Esta edição inédita de três dias vai, ainda, contar com um palco sunset, no qual é possível descontrair ao som da banda sonora ideal para acompanhar cada pôr do sol e, também, passeios de barco rabelo pelo Rio Douro. No que diz respeito à zona de restauração, o festival vai ter à disposição duas áreas, uma interior e outra exterior, que reúne uma enorme diversidade de opções e que alia a modernidade das food trucks aos sabores rústicos e tradicionais.

Um dos primeiros festivais do ano

Numa altura em que a vacinação decorre a um ritmo acelerado, o North Music Festival é um dos primeiros festivais a realizar-se este ano, sendo que irá decorrer numa altura em que 85 por cento da população já se encontrará com a vacinação completa. O público que irá marcar presença no festival já poderá usufruir das vantagens do Certificado Digital. A organização do festival tem estado, desde o primeiro dia, em contacto permanente com a Direção-Geral da Saúde, o Governo, as autoridades locais e todas as entidades competentes, com o objetivo de assegurar o cumprimento das diretrizes para a realização do evento. Acrescente-se que a organização do NMF está, ainda, a receber aconselhamento no âmbito da monitorização e avaliação de dados, com base no boletim epidemiológico, de uma unidade de Medicina Populacional e Saúde Pública, de uma entidade privada de saúde.