“Todos reconhecem que ficou aquém do merecido, mas o dinheiro não era o importante. O importante era sentirmo-nos ouvidos”, referiu Augusto Porto, presidente da Associação de Pesca Profissional do Rio Minho e Mar. Este falava após o acordo, na última quinta-feira, entre os mestres de 49 embarcações de Caminha, Vila Praia de Âncora e Castelo […]
Para ler a restante notícia, deverá ser assinante do Aurora do Lima. Subscreva uma das assinaturas para ter acesso às anteriores edições do Aurora do Lima. Faça Log in ou assina já.