No passado sábado, dia 27 de outubro, depois de uma romagem de saudade ao cemitério da freguesia onde repousam muitos amigos que já partiram, reuniram-se na igreja Paroquial de Perre três grupos de cidadãos, com objetivos de confraternização e de fortalecimento de velhas amizades e conhecimentos. Foram até à igreja Paroquial para participarem na celebração eucarística que teve a presença do Sr. padre Nuno, pároco da freguesia de Perre.

Tratava-se, como já dissemos, de um simples convívio, igual a tantos outros que se vão realizando em Perre e que começam a assumir laivos de tradição. Afinal, a freguesia vem comprovando com este tipo de eventos a sua apetência para o convívio, para o diálogo e para a abordagem a um passado que parece que aconteceu ontem. E, no primeiro encontro, torna-se notório o interesse no reconhecimento “do outro”, daquele companheiro de escola que se apresenta perante nós com mais ou menos rugas no rosto, com mais ou menos sintomas de desgaste físico que os anos vão processando em cada um.

Neste sábado reuniram-se três grupos – apenas por mero acaso na marcação do encontro – sendo um deles o grupo de cidadãos que nasceram no ano de 1946, pessoas que ainda experimentaram as vicissitudes da primeira metade do século XX e viveram a expectativa e, depois, a realidade da guerra colonial.

Reuniu também um grupo um pouco mais jovem – os cidadãos nascidos em 1948 -, que percorreram os mesmos caminhos, também abordados em amena cavaqueira.
E apresentou-se ainda um outro grupo, este com características diferentes dado tratar-se de cidadãos (compreenda-se o masculino propriamente dito…), de variados escalões etários irmanados num objetivo comum, referindo-nos concretamente ao grupo da Goela Seca.
Estes encontros eram inicialmente protagonizados pelos mancebos que se apresentaram nas “inspeções” militares em determinado ano, sendo por isso mesmo exclusivamente masculinos. Mas não foi preciso esperar muitos anos para que as mulheres de Perre se apresentassem também, fosse porque o serviço militar se estendeu ao sexo feminino, fosse porque Perre não dorme, e acompanha a evolução dos tempos.

De qualquer modo, estão agora presentes na maior parte dos encontros os respetivos cônjuges, mais os cidadãos e cidadãs que nasceram naquele ano e vieram morar para Perre. Factos estes que não interferem na dinâmica do grupo da Goela Seca, que continua fiel aos seus pergaminhos e, segundo se afirma, aos seus estatutos. Justo será referir que este grupo se autodenomina, na verdade, como Confraria dos Enófilos da Goela Seca e Gastrónomos do “Pedro” e Afins (entendendo-se como afins as chouriças d´aparte, sanguinhas e grossas). A sua tarefa principal é a deslocação anual a Pias (Alentejo) para verificação da qualidade da produção desse ano, seguida da encomenda de, mais ou menos, 40 pipas de vinho. Atualmente, fomos informados que o Confrade Mor é o Sr. António Parente, com mandato para 33 anos e apenas com possibilidade de ser eleito três vezes consecutivas…

É notório que estes encontros – em qualquer dos casos – fomentam e preservam a amizade. E foi isso que aconteceu no passado sábado, muito embora no fim da celebração eucarística que os aproximou, cada grupo tenha seguido o seu próprio caminho, rumo ao Vianinha, à Quinta do Carvalho e à sede do Grupo de Danças e Cantares de Perre. E parece que por aí também correu tudo muito bem…

Falecimentos

No dia 29 de outubro, faleceu em Serreleis, com 66 anos de idade, o Sr. Carlos Alberto Durães Gonçalves Novo, que foi residente na Calçada do Jaco, lugar do Vieito. O finado era natural da vizinha freguesia da Meadela, mas há muito tempo que se mudara para Perre, onde constituiu família.

No dia 31 de outubro, com 59 anos de idade, faleceu o Sr. Dinis Manuel Bravo de Araújo, que foi morador no Caminho das Portelas, no lugar do mesmo nome. O extinto era natural da freguesia de Perre e foi assíduo colaborador do Grupo das Janeiras da ADC Perre, coletividade da qual era associado e onde deixou muitas amizades.Foram a sepultar no Cemitério desta freguesia.
Às famílias enlutadas,o A Aurora do Lima apresenta as suas condolências.