Chora-se a morte de um amigo como se chora a de um familiar muito próximo, porque se trata de alguém com quem se estabelece cumplicidades, se cria compreensões mútuas e se partilha sucessos e insucessos da vida. Um amigo de verdade pode considerar-se um irmão, que nunca nos recusa solidariedade nos momentos acidentados da vida. […]
Para ler a restante notícia, deverá ser assinante do Aurora do Lima. Subscreva uma das assinaturas para ter acesso às anteriores edições do Aurora do Lima. Faça Log in ou assina já.