O presidente do Turismo do Porto e Norte de Portugal (TPNP) foi constituído arguido, suspeito de passar férias no Algarve sem pagar. A informação foi avançada pelo JN que adianta que o caso está “sob averiguação da Polícia Judiciária do Porto e que poderá ter sido contrapartida pela prática de atos ilícitos”.

O responsável foi constituído arguido, assim como outros quatro elementos  do TPNP. O diário afirma que “terá atribuído contratos que também poderiam ‘promover’ a sua imagem pessoal. Em questão estarão “alegados abusos em contratos por ajuste direto, fraudes e desvio de subsídios para projetos turísticos”.

À agência Lusa, Melchior Moreira referiu estar de consciência tranquila e que iria “prestar todas as informações e ajudas que me forem solicitadas, para esclarecer a situação e defender o meu bom nome e da entidade”. Com 54 anos de idade, natural de Lamego e licenciado em Educação Física, está a frente do TPNP desde 2008.